December 28, 2008


E fiquei bem feliz de fechar o ano com "Entre Les Murs", do Laurent Cantet. Depois de ter passado o Natal vendo uns filmes péssimos que baixei de bobeira, acompanhar a relação entre François e seus alunos foi uma porrada no espírito, que gerou muitas reflexões sobre educação, autoridade, conhecimento, imigração, choques culturais e, claro, o ofício de professor.

O formato é impressionante : são alunos de verdade e um professor de verdade diante das câmeras, e a gente quase esquece que é um filme-quase-documentário, roteirizado e adaptado de um romance quase-autobiográfico. É o micro-universo de uma sala de aula do 20ème em Paris que reflete os problemas sociais que a França (na verdade, o mundo) anda enfrentando. É curioso como consegue ser overwhelming, sem que nada de especial aconteça : não há trama, não há explosões, seqüestros, nada. São diálogos e interações humanas, e isso é suficiente pra prender a atenção por mais de duas horas.

Os estudantes são insolentes, problemáticos e de enlouquecer. O professor é patronizing mas bem-intencionado, e se perde o controle às vezes, é compreensível. Ao mesmo tempo, a gente entende o desânimo dos alunos em aprender coisas que parecem tão distantes e inúteis para o mundo em que vivem, e quer desesperadamente pensar numa maneira de interessá-los em estudar, porque a maioria claramente tem potencial. Não existe mau e bom - tanto os jovens quanto o professor erram e acertam, mas existe a discussão do que é o correto e o errado em termos de sociedade. Filmão, mas me deixou cada vez mais convencida de que ter filhos é muito complicado - especialmente se os pais resolvem fechar os olhos e acreditar que suas preciosas crias sejam incapazes de más atitudes. E você percebe que na verdade uma boa parcela da população do mundo é assim : e pra onde vamos daí?

3 comments:

Beth Blue said...

Pena que não pude assistir com você naquele dia que marcamos...estou muito a fim de ver!

E boa viagem daqui a pouco ;-)

Cris A. said...

Hmmm, bom saber desse filme. Eu vejo um monte por aí com essa temática que são rasos ou simplistas...

(que bom que vai vc vir!! \o/)

Cris A. said...

Ou melhor: que você vai vir. Dã.