November 09, 2007

De todos os nossas capacidades, acho que sonhar é uma das minhas preferidas. Mas sonhar mesmo, daqueles quando a gente dorme e o inconsciente toma conta, misturando acontecimentos, medos, desejos, frustrações e pirações em pequenas cenas com um mínimo de coerência pra dar liga. Mínimo mesmo, só pra não virar uma maçaroca desconexa.

(Chris, Klein, Hector e tanta gente que falou sobre o assunto ultimamente e mais o Gondry podem atestar)

Pra falar de novo em Star Trek (I know, I know - pode chamar de nerd que eu gosto), fiquei emocionada quando num dos episódios o Data desenvolve a capacidade de sonhar. Não entende a princípio - mas depois percebe como é um privilégio. E como não encarar como um presente a chance de correr por lugares estranhos e que não existem, conversar com pessoas queridas distantes de você, viver situações que na vida real seriam arriscadas ou, melhor ainda, impossíveis? Eu adoro.

Às vezes os sonhos me consomem - acordo cansada fisicamente, quebrada mesmo, depois de sonhos onde corro ou ando sem parar (como o de hoje, em que eu andava de bicicleta numa avenida imensa em SP, que não existe, mas ligava o Anhembi à zona leste passando pelo minhocão, com alguém que não lembro quem era na garupa). Como pode?

Outras vezes, são tão bons que fico verdadeiramente chateada ao acordar - de que outra forma eu poderia abraçar meu pai e resolver a saudade de perguntar coisas triviais como "você quer que eu vá buscar uma pizza?", como se ele ainda estivesse por aqui?

E por isso mesmo, sonho legal é sonho absurdo. Como bem disse a Chris, sonho com coisas normais é mau sinal.

5 comments:

Cris A. said...

Que coincidência, estou escrevendo sobre sonhos agora o.O

Annix said...

:-O Que engraçado, um monte de gente falando disso!

João said...

Isto sempre me lembra "até o fim do mundo" do Wim Wenders, aquele vicio que a maquininha de gravar sonhos cria.
Realmente no inicio da tarde, antes de ler o post eu estava pensando sobre sonhos

Eu penso que... said...

Annix,
Eu sinto muito não conseguir sonhar com a frequência que sonhava.
Têm semanas que não lembro de ter sonhado nada!
Será que meu cérebro está com abstinência?!
Será que sou normal???
Beijos :D

Hector said...

classe. eu costumava anotar alguns sonhos, já usei como base de contos.

acho que a gente sonha em duas circunstâncias, dependendo da freqüência em que o cérebro estiver: ou e apenas ele se entendendo com as coisas do dia-a-dia [incluindo preocupações, anseios, saudades etc] duma forma muito simbólica que constrói nossa mitologia pessoal...

ou é aquele dreamtime que o mentor do castañeda falava, ponte entre os mundos, inter-dimensão. mas mesmo esse de qualquer forma se intersecta legal com o lance de cima.