February 06, 2008

No dia seguinte, consegui encontrar uma pessoa que é muito, muito querida por mim. O tempo de um almoço foi curto pra colocar os assuntos em dia, por isso encontrei o Celinho mais de uma vez também. Mais especificamente, no dia seguinte. Akira e eu resolvemos ir a pé até a Paulista pra tomar uma cerveja. Por acaso, o Re ligou perguntando onde a gente estava e foi nos encontrar. Depois de várias Bohemia, resolvemos então ir conferir um bar duvidoso atrás do ex-Hilton, e nessas o Celinho também ligou. Acabamos indo pra outro boteco lá perto, e o Celio trouxe também a Rosalia, amiga do Akira há séculos (o mundo é uma ervilha). Ficamos horas bebendo e resolvemos ir comer. A sugestão foi a Casa do Espeto da Pompéia, porque aí a mulher do Re nos encontraria lá. Fomos em dois carros e o que eu estava chegou primeiro. Fui pedir mesa pra seis. Aí me ligam, dizendo que o Quim e a Sri telefonaram e queriam sair com a gente.

Enfim, o que era pra ser uma cervejinha na Paulista a dois acabou virando uma mesa pra oito na Pompéia, por mero acaso e inércia. E vocês acham que isso algum dia ia acontecer na Holanda?

I love SP.

1 comment:

muié said...

Perdi os espetinhos. Snif! ;(