March 02, 2008

"Tropa de Elite" dispensa apresentações, resenhas, análises e posts, certo? Já chegou arrebentando no ano passado, vazado antes do lançamento, propagado no boca-a-boca e no bate-boca, tachado de fascista, de fenômeno viral, de ultra-violento. É o filme que todo mundo conhece, mesmo sem ter visto.

Mas TEM de ser visto. É um dos melhores filmes de 2007, e certamente um dos melhores filmes brasileiros das últimas décadas. O desempenho do elenco é irrepreensível (algo raro no cinema nacional), assim como o texto, a montagem, a tensão perene e sim - a história. É difícil não ficar pasmo com a ousadia de colocar a corrupção e o caos em cores tão nítidas (e que todos nós sabemos reais), e quase impossível não entender o porquê do Capitão Nascimento e o BOPE terem sido elevados ao status de (anti-)heróis modernos. Como diz o próprio Capitão, "só rico com consciência social não entende". Ideologias à parte, é muitíssimo bem-feito.

(o único problema técnico que eu apontaria é, como em toda produção nacional, o áudio. Mas não tem jeito, o som direto não tem como se igualar ao da narrativa em off, gravada em estúdio)

Mas como não falar de ideologias, com esse filme? Como não perceber o quanto a classe média/alta só se importa com o caos e a criminalidade quando ela é atingida? Como não se assustar com uma sociedade que cresceu acostumada à corrupção e choraminga ser injustiçada? Enfim.

Passei o filme todo com o coração prestes a pular pela boca. And I loved the ride.

4 comments:

Gal said...

Fantástico, né?
Um filme e tanto. E o elenco dá um show, especialmente Wagner Moura.

Beijos e namarië.

Galaxy Of Emptiness said...

Desde já, um clássico, hehe.

Eu penso que... said...

Dá pra entender o porquê de tanto alvoroço, né?
Filmaço...
Bj

Kris said...

Bosta. Ainda não assisti. =(