April 07, 2008

Desta vez, ela resolveu visitar Bruxelas. Como deixar de aproveitar a chance de explorar uma cidade tão underrated?

Peguei o trem e desci na gare du Midi, também conhecida como Brussel Zuid. Fui olhar o mapa do transporte público pra ver se valia a pena pegar um tram, e um dos funcionários já foi simpático e solícito, me explicando que dava pra ir a pé até o hotel. Simpatia absoluta.

De fato, o Floris Avenue fica a uns dez minutos a pé da estação, e cheguei rapidinho e sem problemas. Check-in rápido e me vi num quarto imenso, confortável e bem-decorado. Pensei : "isto é um single? Uau". Tudo bem, o cofre não funcionava e não foi consertado durante toda a estadia, mas o resto foi impecável. Cama enorme (maior que a minha daqui de casa), aquecimento, frigobar, armário, mesa e cadeiras, banheiro grande com banheira e muita água quente. E shampoo e sabonete com perfume de chá verde, adorável.

A simpática moça da recepção me colocou no quarto ao lado da Anita. Fui lá bater na porta e já combinamos dar uma volta pela cidade.

Começamos pela Grand Place, merecidamente reconhecida como patrimônio mundial. Andamos pelas ruas em volta, passamos pelas luxuosas Galerias Saint-Hubert, etc. Paramos no Café de L'Opéra, ao lado do Théâtre de la Monnaie, e lá ficamos algumas horas batendo papo.
À noite, fomos encontrar o querido Antonio na frente da Bourse e jantamos no La Lune de Miel, um dos incontáveis restaurantes vietnamitas da rue Jules Van Praet. Cardápio extenso, pratos bem preparados e ambiente agradável e moderno, muito bom. Pedi o curry de frango à tailandesa - carne macia e suculenta, curry saboroso.

1 comment:

Cris A. said...

A Ana já foi e já voltou de Bruxelas? O_o (Preciso retomar minha vida social.)

Que legal, vou pegar os detalhes com ela depois ;)

bjs!